sexta-feira, outubro 15, 2021
Início Site

Butantan recebe autorização para iniciar testes de soro anti-covid

Instituto Butantan

O Instituto Butantan recebeu hoje (15) a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar, em humanos, testes complementares do soro anti-covid, fabricado pela instituição. Ao contrário da vacina, que é uma forma de prevenção, o soro auxilia no tratamento de pessoas já infectadas pela doença. Com a autorização de hoje, o Butantan conta com as permissões necessárias para a realização de todas as etapas dos testes clínicos do soro. 

Os exames serão realizados no Hospital do Rim e no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), ambos localizados na cidade de São Paulo. Os voluntários participantes são adultos com mais de 30 anos e com diagnóstico de infecção por covid-19 confirmado por PCR, no máximo, nos cinco dias anteriores. O soro é intravenoso, ou seja, é inserido na veia em uma única aplicação. O paciente fica no hospital por um dia e recebe o medicamento.

Os ensaios serão feitos em duas fases e três etapas. Na fase 1, o estudo vai envolver 30 pessoas transplantadas de rim, pacientes do Hospital do Rim (etapa A); e 30 pacientes oncológicos do Hospital das Clínicas, com câncer de órgão sólido (etapa B). Na fase 2, participarão 558 pessoas, entre transplantados de órgãos sólidos e pacientes oncológicos, todos fazendo terapia imunossupressora (etapa C).

“O foco do soro anti-covid nos imunossuprimidos é uma contribuição do Butantan para fornecer tratamento a um público numeroso que tem dificuldades na sua imunização e, em muitos casos, não pode tomar vacina. Além disso, são pessoas bastante afetadas pela covid-19, com uma taxa de mortalidade que pode ser superior a 65%”, destacou o instituto em nota.

Solicitações de agendamentos no aplicativo PAC Digital passa de 11 mil

Em quatro dias de funcionamento, o aplicativo PAC Digital já recebeu 11.075 pedidos de agendamento de emissão de Registro Geral (RG), sendo 2.809 para 1ª via e 8.266 para 2ª via. O serviço de agendamento on-line lançado pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), começou a funcionar na segunda-feira (11/10) e pretende agilizar a emissão de RGs em todo o estado.

As unidades de Pronto Atendimento ao Cidadão (PACs) que registraram o maior número de solicitações foram Via Norte, São José e Leste, com respectivamente 2.080, 1.786 e 1.776 pedidos. Hoje, a secretaria coordena 13 unidades do PAC, sendo nove na capital e quatro em outros municípios: Iranduba, Itacoatiara, Manacapuru e Parintins.

De acordo com a secretária titular da Sejusc, Mirtes Salles, o aplicativo tem sido bem recebido pela população e vai atender toda a demanda reprimida na emissão de RGs, provocada por causa da pandemia da Covid-19.

“O aplicativo vai trazer muita praticidade e facilitar o agendamento do cidadão. Além disso, já aumentamos o número de atendimentos diários para 100, em cada unidade do PAC. Todas estas medidas fazem parte do plano de ação determinado pelo governador Wilson Lima, que inclui ainda a modernização dos PACs, a começar pelo PAC Compensa, e ações de cidadania tanto na capital quanto no interior”, reforçou a gestora.

A gerente de loja, Vanessa Karolyne Lemos Ribeiro, de 22 anos, foi uma das mais de 11 mil pessoas que solicitaram o serviço. Para ela, o método vai facilitar a vida do cidadão.

“Conheci o aplicativo por meio das redes sociais da Sejusc e achei tudo muito prático e rápido. Já realizei o agendamento para tirar a 2ª via do RG e agora é só aguardar o dia, hora e local indicados para a realização do serviço”, disse Vanessa.

Funcionamento – O primeiro passo é baixar o aplicativo Sasi, fazer o cadastro e depois colocar o código SJPAC. Em seguida, é só acessar o primeiro canal, que é o de pedido de agendamento, podendo ser feito tanto para a pessoa quanto para terceiros. Após a solicitação feita, a pessoa recebe uma mensagem, pelo e-mail e telefone cadastrados no app, em até 72 horas com a confirmação do serviço.

Além do agendamento, o app também conta com as abas: “Conheça o PAC”, “Notícias”, “Sugestões e Reclamações” e está disponível para celulares Android e iPhone (iOS).

Eleições 2022: conheça as novas regras eleitorais

TSE - Tribunal Superior Eleitoral Urna eletrônica

Falta pouco menos de um ano para as eleições de 2022 e os eleitores brasileiros irão às urnas com novas regras eleitorais. Promulgada pelo Congresso Nacional na semana passada, as regras serão aplicadas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, de 27 governadores e vice-governadores de estado e do Distrito Federal, de 27 senadores e de 513 deputados federais, além de deputados estaduais e distritais.

O pleito será realizado em primeiro turno no dia 2 de outubro e, o segundo turno, ocorrerá no dia 30 do mesmo mês.

Conheça as regras:

Recursos

Para incentivar candidaturas de mulheres e negros, a nova regra modifica contagem dos votos para efeito da distribuição dos recursos dos fundos partidário e eleitoral nas eleições de 2022 a 2030. Serão contados em dobro os votos dados a candidatas mulheres ou a candidatos negros para a Câmara dos Deputados nas eleições realizadas durante esse período.

Fundo eleitoral

Em 2022, o Fundo Especial de Financiamento de Campanha – chamado de fundo eleitoral – terá R$ 5,7 bilhões. Esse é o valor previsto para o financiamento de campanhas políticas. Os recursos são divididos da seguinte forma:

  • 2% dos recursos do fundo devem ser divididos entre todos os partidos, sendo o marco temporal a antecedência de seis meses da data do pleito.
  • 35% dos recursos devem ser divididos entre os partidos na proporção do percentual de votos válidos obtidos pelas siglas que tenham pelo menos um representante na Câmara dos Deputados, tendo por base a última eleição geral. Nos casos de incorporação ou fusão de partidos, os votos dados para o partido incorporado ou para os que se fundirem devem ser computados para a sigla incorporadora ou para o novo partido.
  • 48% dos recursos do fundo serão divididos entre os partidos na proporção do número de representantes na Câmara dos Deputados na última eleição geral. Pela regra, partidos que não alcançaram a cláusula de barreira, contam-se as vagas dos representantes eleitos, salvo os deputados que não tenham migrado para outra legenda.
  • 15% dos recursos do fundo devem ser divididos entre os partidos, na proporção do número de representantes no Senado, contabilizados aos partidos para os quais os senadores foram eleitos.

Fundo Partidário

Já o Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos ou fundo partidário é destinado às siglas que tenham seu estatuto registrado no Tribunal Superior Eleitoral e prestação de contas regular perante a Justiça Eleitoral. Distribuído anualmente, o fundo partidário deve alcançar R$ 1,2 bilhão em 2022 e R$ 1,65 bilhão em 2023. A divisão é feita da seguinte forma:

  • 5% do total do Fundo Partidário serão divididos, em partes iguais, a todos os partidos aptos que tenham seus estatutos registrados no Tribunal Superior Eleitoral;
  • 95% do total do Fundo Partidário serão distribuídos a eles na proporção dos votos obtidos na última eleição geral para a Câmara dos Deputados.
Palácio do Congresso Nacional na Esplanada dos Ministérios em Brasília

Nova data de posse

A emenda à Constituição modifica o dia da posse do presidente da República para 5 de janeiro e dos governadores para 6 de janeiro a partir de 2027. Atualmente, presidente e os governadores tomam posse no dia 1º de janeiro. No caso da próxima eleição, em 2022, a data de posse em 2023 permanecerá no primeiro dia do ano.

Fidelidade partidária

As novas regras permitirão que parlamentares que ocupam cargos de deputado federal, estadual e distrital e de vereador possam deixar o partido pelo qual foram eleitos, sem perder o mandato, caso a legenda aceite.

O texto permite ainda que partidos que incorporem outras siglas não sejam responsabilizados pelas punições aplicadas aos órgãos partidários regionais e municipais incorporados e aos antigos dirigentes do partido incorporado, inclusive as relativas à prestação de contas.

Antes da mudança, a lei eleitoral permitia que parlamentares mantivessem o mandato apenas nos casos de “justa causa”, ou seja, mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário; grave discriminação política pessoal; e se o desligamento fosse 30 dias antes do prazo de filiação exigido em lei para disputar a eleição.

A incorporação de partidos também foi disciplinada pela emenda. Pelo texto, a sigla que incorporar outras legendas não será responsabilizada pelas sanções aplicadas aos órgãos partidários regionais e municipais e aos antigos dirigentes do partido incorporado, inclusive as relacionadas com prestação de contas.

Plebiscitos

A emenda constitucional incluiu a previsão para a realização de consultas populares sobre questões locais junto com as eleições municipais. Essas consultas terão que ser aprovadas pelas câmaras municipais e encaminhadas à Justiça Eleitoral em até 90 dias antes da data das eleições. Os candidatos não poderão se manifestar sobre essas questões durante a propaganda gratuita no rádio e na televisão.

Federações partidárias

Apesar de não fazer parte da Emenda Constitucional 111, outra mudança nas regras eleitorais terá validade no próximo pleito. Ao derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro, o Congresso Nacional validou o projeto que permite a reunião de dois ou mais partidos em uma federação.

A federação partidária possibilita aos partidos, entre outros pontos, se unirem para atuar como uma só legenda nas eleições e na legislatura, devendo permanecer assim por um período mínimo de quatro anos. As siglas que integram o grupo mantêm identidade e autonomia, mas quem for eleito devem respeitar a fidelidade ao estatuto da federação.

Outras modificações

A Câmara dos Deputados aprovou ainda outra proposta com a revisão de toda a legislação eleitoral. A modificação do novo código consolida, em um único texto, a legislação eleitoral e temas de resoluções do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A legislação eleitoral tem, ao todo, 898 artigos e reúne, entre outros pontos, a Lei das Eleições, a Lei dos Partidos Políticos, a Lei das Inelegibilidades e a Lei do Plebiscito.

Pelo texto aprovado na Câmara estabelece a quarentena de diversas carreiras. A proposta aprovada pelos deputados exige o desligamento de seu cargo, quatro anos antes do pleito, para juízes, membros do Ministério Público, policiais federais, rodoviários federais, policiais civis, guardas municipais, militares e policiais militares.

Entre as inovações da nova regra eleitoral está a autorização para candidaturas coletivas para os cargos de deputado e vereador. O partido deverá autorizar e regulamentar essa candidatura em seu estatuto ou por resolução do diretório nacional, mas a candidatura coletiva será representada formalmente por apenas uma pessoa.

No entanto, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), avaliou que não havia tempo hábil para analisar as propostas de alteração ao código eleitoral a tempo de vigorar para as eleições de 2022. De acordo com o Artigo 16 da Constituição Federal, “a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência”. A matéria ainda aguarda votação no Senado e não terá vigor nas próximas eleições.

Wilson Lima vistoria obras da segunda fase do complexo viário Anel Sul

O governador Wilson vistoriou, nesta quinta-feira (07/10), as obras da segunda fase do complexo viário Anel Sul, trecho que vai do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo 4 (Cindacta 4) até a ponte do Tarumã, zona oeste de Manaus. As obras dessa segunda fase, iniciadas em junho deste ano, vão duplicar 5,4 quilômetros da via.

Segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura e da Região Metropolitana de Manaus (Seinfra), mesmo com a incidência das chuvas foi possível avançar nos serviços de terraplenagem e drenagem nas imediações da Cachoeira Alta.

“Nós dependemos muito da questão das chuvas. Esse ano nós estamos tendo uma situação atípica. Vez por outra tem um dia que chove e cada dia de chuva são dois, três dias que a gente perde de obra aqui, mas nós estamos trabalhando para que essa obra possa ser entregue até o final deste ano, para desafogar o trânsito nessa área de Manaus, que acaba sendo muito complicado no período da manhã e também da tarde, na hora rush”, disse o governador.

Na primeira fase, já foram finalizados os serviços em 3,3 quilômetros da avenida do Turismo. Também foi concluído o viaduto Lydia da Eira Corrêa, com 230 mil metros quadrados, situado no entroncamento das avenidas do Tarumã, Torquato Tapajós e Arquiteto José Henriques. Ao todo, 61% dos trabalhos, somando as fases um e dois, já foram executados.

O complexo viário Anel Sul irá desafogar o fluxo de veículos na avenida Torquato Tapajós, atendendo à atual demanda de tráfego de veículos da zona norte da cidade, proporcionando um novo caminho com destino ao Centro da capital através da avenida Tarumã. A obra trará economia de tempo e combustível aos usuários. Além disso, o Anel Sul interligará o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes às rodovias AM-010 e BR-174.

“Ela é fundamental para o Distrito Industrial, ela é fundamental para as pessoas que moram nessa região. Tenho conversado muito com algumas comunidades aqui do Tarumã, com alguns pequenos produtores da agricultura familiar que estão muito entusiasmados e veem um horizonte de perspectivas muito boas porque isso garante o escoamento da produção e também é um direito fundamental do cidadão de ir e vir, um desenvolvimento social”, ressaltou Wilson Lima.

 

Desapropriação – No Anel Sul, já foram executadas 80% das desapropriações e os outros 20% devem ser concluídos até março de 2022. Os proprietários são devidamente indenizados pelo Governo do Estado. Das desapropriações já executadas, 107 imóveis foram demolidos para continuidade das obras de duplicação da via.

 

Anel Leste – O Governo do Estado também trabalha na construção do Anel Viário Leste que, junto com o Anel Sul, formarão a maior obra de mobilidade urbana de Manaus. Esses dois complexos, um total de 27 quilômetros – vão interligar o Distrito Industrial e o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, e tirar de circulação de outras vias da cidade as carretas que saem do Polo Industrial de Manaus (PIM). O Anel Leste contempla 18,3 quilômetros de extensão.

 

Fotos: Diego Peres/Secom

União Brasil confirma Amazonino como pré-candidato ao Governo do Amazonas

A convenção nacional do DEM e do PSL que oficializou a fusão entre os dois partidos e elegeu a nova executiva nacional também confirmou o nome do ex-governador Amazonino Mendes como pré-candidato do União Brasil ao Governo do Amazonas pelo primeiro-vice-presidente do partido, Antônio Rueda. O objetivo do partido é eleger 12 governadores e manter a maior bancada no Congresso. Antônio Rueda também confirmou as filiações do vereador Amom Mandel e do ex-deputado federal e ex-secretário de Educação, Humberto Michiles.

“O União Brasil será gigante também no Amazonas e com apoio de um partido forte nacionalmente vamos construir as bases para a transformação econômica e social do nosso Estado, e levar esperança ao nosso povo, principalmente dos bairros e do interior, que foram os que mais sofreram por conta de um governo desastroso”, disse Amazonino ao confirmar sua filiação ao novo partido.

Amazonino revelou que o plano do União Brasil para o Amazonas é eleger três deputados federais, uma grande bancada de deputados estaduais, além do senador e governador.

A prioridade imediata, segundo Amazonino, será instalar os diretórios municipais em todos os 62 municípios amazonenses, atraindo para o partido lideranças locais. Amazonino disse que não ficará na presidência do diretório estadual, mas ficará no comando para que o partido seja tão forte no Amazonas quando nacionalmente.
O União Brasil nasce com 82 deputados federais, oito senadores e quatro governadores. É o maior partido do país, com o maior volume de recursos do fundo eleitoral e com o maior tempo de propaganda eleitoral entre todos os partidos.

Dubai volta a ser procurada por brasileiros após abertura para turismo

O pavilhão da Oportunidade, na Expo Dubai 2020.

Há alguns anos Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, é um destino popular de brasileiros. A ligação afetiva se consolidou em 2007, quando a companhia aérea local de Dubai, a Emirates, começou a voar entre a maior cidade do país árabe e a capital paulista.

Desde então, milhares de turistas do Brasil já conheceram a metrópole localizada às margens do Golfo Pérsico, seja como destino final de viagem, seja como ponto de conexão com outro lugar da Ásia ou Oceania.

A brasileira Natalia Arreguy, que se mudou para Dubai em 2005 a fim de acompanhar o marido, tornou-se guia turística depois da inauguração do voo da Emirates. “As companhias de turismo de Dubai começaram a precisar de guias que falassem português para atender aos brasileiros, porque houve um marketing muito grande em cima desse voo. Pessoas famosas do Brasil começaram a vir para cá, gravar programas de televisão. Começou a vir bastante brasileiro”, conta.

Natalia viu Dubai se tornar um destino conhecido dos brasileiros, mas também viu seus compatriotas sumirem dos pontos turísticos quando, em março de 2020, os Emirados Árabes Unidos fecharam suas fronteiras devido à pandemia de covid-19.

O país só reabriu para o turismo internacional em julho de 2020. E a Emirates só retomou seu voo entre São Paulo e Dubai no mês seguinte. Os brasileiros começaram a voltar ao emirado, mas ainda de forma tímida. “Eu fiquei meses sem trabalho. E isso foi um impacto financeiro muito grande”, revela a guia.

Em fevereiro de 2021, com o aumento dos casos de covid-19 no Brasil, o governo de Dubai decidiu impedir a entrada de brasileiros procedentes de São Paulo. Isso gerou uma situação curiosa, os turistas podiam voar até Dubai, mas não podiam sair do aeroporto.

Portanto, apenas viajantes que tinham outro destino, como as Maldivas, voavam até Dubai a partir de São Paulo. Apenas no voo de volta, brasileiros eram autorizados a entrar nos Emirados Árabes.

Em junho deste ano, Dubai resolveu suspender a medida e voltou a autorizar a entrada de turistas do Brasil. “Foi aí que explodiu, quando o governo reabriu para o brasileiro poder desembarcar aqui direto. Julho, que é o mês de altíssimo verão, ficou lotado de turistas brasileiros aqui, derretendo no calor”, destaca Natalia.

Agora, as guias brasileiras estão com agenda tão lotada que mal conseguiram tempo para conversar com a reportagem da Agência Brasil. Outra guia, Solange Barros, diz que mal tem tempo para dormir. “Só estou dormindo quatro horas por noite, porque ‘deu a louca’, Brasil está invadindo Dubai”, comemora, embora lamente o cansaço.

Com a Expo Dubai 2020, uma feira internacional que começou na semana passada e que apresentará pavilhões com a cultura de mais de 190 países até março de 2022, a expectativa é que ainda mais brasileiros procurem o destino árabe nos próximos meses.

“Aqui pode entrar quem não está vacinado, basta o PCR negativo. Acho que a demanda para o turismo ficou tão reprimida durante essa pandemia, com países do mundo inteiro sem aceitar brasileiro – e aqui aceitando todo mundo -, que as pessoas decidiram vir para Dubai para serem felizes, principalmente aquelas que não aguentavam mais viver em quarentena. As agências brasileiras estão vendendo muito Dubai. Neste momento, por onde eu saio, só dá brasileiro”, afirma Natalia.

Segundo o diretor do órgão de promoção do turismo em Dubai, Issam Kazim, a cidade tem ofertas para todos os perfis de turista e um cardápio de atrações que reúnem cultura, gastronomia, praia, aventuras ao ar livre e entretenimento para as famílias.

“Queremos ser lembrados pelos brasileiros como o destino dos sonhos e que tem uma grande conexão direta de voos”, afirma Kazim. “Reabrimos nossas fronteiras há mais de um ano e esse período foi uma oportunidade para aumentar a exposição das ofertas do destino no Brasil, para mostrar que somos um destino confiável e, acima de tudo, seguro”.

* O repórter Vitor Abdala e o fotógrafo Marcelo Camargo viajaram a convite da Apex-Brasil

Agencia Brasil

Novo contrato com Butantan depende de registro definitivo da CoronaVac

Chegada de 59.800 doses da vacina CoronaVac (17.03.2021) Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse hoje (5) que um novo contrato do governo federal com o Instituto Butantan, para aquisição de vacinas contra a covid-19, dependendo de registro definitivo do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).Queiroga retornou ao trabalho na sede do Ministério da Saúde nesta terça-feira, após retornar de Nova York, nos Estados Unidos, onde cumpria isolamento por ter contraído covid-19.

Atualmente, quatro vacinas são oferecidas à população pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI): a Pfizer/BioNTech e a Oxford/AstraZeneca, que já têm registro definitivo na Anvisa; e a Janssen/Johnson&Johnson e a CoronaVac, que têm autorização apenas para uso emergencial.

Em janeiro, o governo federal assinou contrato com o Instituto Butantan para aquisição de 100 milhões de doses da CoronaVac, que foi finalizado no mês passado.

“Tínhamos uma emergência sanitária, essas vacinas foram feitas em tempo recorde e a Anvisa deu registro emergencial, não só à CoronaVac, à Janssen também. Se quer entrar no calendário nacional vai ter que solicitar o registro definitivo”, disse. “Uma vez a Anvisa concedendo o registro definitivo, o Minsitério da Saúde considera essa ou qualquer outra vacina para fazer parte do PNI”, disse em entrevista a jornalistas na entrada do ministério.

Para Queiroga, quanto mais oferta de imunizantes, melhor para estimular a queda dos preços. “Se o preço cai é melhor porque consigo usar esse recursos, por exemplo, para atender pessoas que têm síndrome pós-covid. Também preciso manter leitos de UTI habilitados para 2022. Temos dificuldades orçamentárias, não é surpresa para ninguém, e temos que vencer juntos”, disse, destacando a interlocução do governo com o Congresso Nacional.

Campanha 2022

De acordo com o ministro, o corpo técnico do Ministério da Saúde já está em fase de planejamento da campanha de vacinação contra a covid-19 em 2022, mas ainda sem posições definidas. Segundo ele, até o final do ano, o Brasil ainda deve receber 100 milhões de doses da Pfizer, cerca de 30 milhões da Janssen, além de doses do consórcio Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para Queiroga, não há dúvida que a campanha de vacinação contribui para um cenário epidemiológico mais tranquilo, com redução de internações hospitalares e de óbitos por covid-19. “Temos queda no número de óbitos de maneira sustentada, apesar de aumento de casos, que se deve à maior abertura que tem da economia, mas isso não tem correspondido em aumento expressivo de internações”, disse.

Até o momento, o governo federal já distribuiu mais de 301 milhões de doses de vacina contra a covid-19. Dessas, 242,7 milhões foram aplicadas, sendo 147,9 milhões em primeira dose e 94,7 milhões em segunda dose ou dose única. Mais de 1,3 milhão foram doses de reforço para idosos, pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde.

Banco Mundial diz que Brasil é o sétimo líder em governo digital

O governo federal lançou neste domingo (22) a plataforma Todos por Todos, onde empresas, entidades e associações, além dos órgãos públicos, podem disponibilizar serviços e produtos gratuitos ou em caráter de emergência

O Banco Mundial avaliou o Brasil como o sétimo país com a mais alta maturidade em governo digital no mundo. O resultado, divulgado pelo governo federal hoje (30), faz parte de um ranking, calculado pelo índice GovTech Maturity Index 2020 do banco, que avalia o estado atual da transformação digital do serviço público em 198 economias mundiais.

De acordo com o ranking, o Brasil ficou à frente de todas as demais nações das Américas, incluindo Estados Unidos e Canadá.

À frente do Brasil, constam apenas Coreia do Sul, Estônia, França, Dinamarca, Áustria e Reino Unido. Além disso, o Brasil é o único país entre os dez primeiros que tem mais de 100 milhões de habitantes.

Segundo o governo, o resultado se deve ao avanço da plataforma gov.br, que hoje já dispõe de mais de 115 milhões de usuários. No início de 2019, os acessos eram feitos por cerca de 1,8 milhão de pessoas. A plataforma permite o acesso a diversos serviços digitais e facilita a obtenção de informações e o relacionamento do cidadão com o governo.

O índice GovTech do Banco Mundial avaliou 198 economias globais sob quatro aspectos: suporte aos principais sistemas de governo; aprimoramento da prestação de serviços; integração do engajamento do cidadão; e incentivo às habilidades digitais das pessoas no setor público, ao regime legal e regulatório apropriado, à capacitação e à inovação.

O Brasil foi destaque em soluções digitais de impacto massivo, como auxílio emergencial, Meu INSS, seguro desemprego e seguro desemprego do empregado doméstico, carteiras digitais de trabalho e de trânsito e o PIX.

Arthur: Minha luta é contra a fome, o desemprego e a favor da Amazônia

Depois de confirmado como candidato às prévias do PSDB, que indicará o candidato do partido à presidência da República, o presidente do PSDB-AM,

Arthur Virgílio Neto, intensificou sua campanha junto aos filiados e em suas redes sociais. Nesta quarta-feira (29.9), uma série de vídeos foi iniciada nas suas páginas do Facebook e Instagram para apresentar suas principais propostas de campanha.
Entre as propostas estão a unificação e o fortalecimento do partido, a defesa da democracia, a defesa da Amazônia e da Zona Franca, com a proposta de um Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável para a região mais estratégica do país, e a redução das desigualdades sociais, com foco na equidade de gênero, melhor distribuição de renda, acesso universal à educação e à saúde e a ampliação das políticas públicas e redes de proteção a esses segmentos sociais, além do combate à fome e ao desemprego.

“É a primeira vez que um amazonense está disputando a prerrogativa de ser candidato à presidência da República e eu pretendo fazer um papel bonito. Tenho muito orgulho de estar entre os, agora, três candidatos às prévias partidárias”, destacou Arthur Virgílio, diante da desistência do senador do Ceará, Tasso Jereissati. A disputa será entre Virgílio e os governadores de São Paulo e Rio Grande do Sul, João Doria e Eduardo Leite, respectivamente.

As propostas de Arthur vêm ganhando atenção até mesmo entre os seus adversários na disputa. Recentemente, Doria o convidou para uma reunião do núcleo de Relações Exteriores, onde falou sobre a questão da Amazônia, seus riscos e medidas que precisam ser encaradas pelo governo federal, com parceria nacional e internacional, público e privada. Arthur, que também é diplomata de carreira, fez ainda uma explanação sobre a crise na diplomacia brasileira e a necessidade de que o Brasil volte a estar entre os países com credibilidade junto à comunidade internacional.

Os mesmos assuntos foram tema de conversa com o senador Jereissati e com outros membros do partido, em Brasília. As próximas paradas de Arthur Virgílio estão previstas para os Estados do Sul do país, onde também pretende conversar com Leite.  “Quero fortalecer a crença do nosso povo no desenvolvimento do Brasil, mas isso só ocorrerá se a Amazônia se desenvolver”, reforça.

O candidato reforçou que usará as redes sociais para promover várias conversas com filiados do PSDB e seus seguidores, para falar sobre pontos que considera essenciais para o desenvolvimento do país. “Vamos fazer várias conversas sobre a liberdade econômica e o compromisso com mais reformas”, antecipou.

Arthur disse ter convicção de que o partido sairá fortalecido das prévias que, apesar de estarem previstas no estatuto do partido, estão sendo realizadas pela primeira vez este ano. “A nossa campanha nas prévias vai valorizar a união do partido e, claro, o fortalecimento do sentimento de democracia. O Brasil tem uma democracia em formação, mas já bastante sólida, porque é uma preferência da maioria dos brasileiros, civis e militares”, afirmou Virgílio, lembrando que o país lutou para sair de uma ditadura feroz e resgatar a democracia.

Virgílio disse estar seguro nessa campanha e afirma ter o pedigree político necessário e experiência para se colocar como alternativa real, fruto dos seus mais de 40 anos de vida pública, onde já exerceu os cargos de deputado federal, senador, ministro de Estado e, por três vezes, prefeito eleito pelo voto popular da cidade de Manaus, capital da Amazônia.

“Eu sempre me apresento por onde vou, mas sei que sou bastante conhecido no Brasil e, aqui no Amazonas, sou mais conhecido que pirarucu  e farinha d’água – dois produtos regionais que têm a preferência dos amazônidas – e faço questão de dizer, formalmente, que estou candidato, que estou com vocês, com o povo, com a estabilidade econômica, com o fim da fome, com o fim do desemprego e estou com aquilo que representa o bem-estar social. Nós vamos à luta e essa luta é a minha vida”, finalizou.

Polícia Federal investiga fraudes tributárias em seis estados e no DF

Operação Blindagem Metálica

A Operação Blindagem Metálica, deflagrada nesta terça-feira (28), visa desarticular estrutura de empresas voltadas para a prática dos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica e outras fraudes tributárias. A ação é realizada pela Polícia Federal (PF), em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal.

As investigações apontam que empresas, conhecidas como noteiras e blindadoras, emitiam notas fiscais inidôneas, simulando compra e venda de sucata de alumínio e alumínio bruto, com a finalidade de gerar créditos fiscais fictícios às companhias do grupo principal investigado.

Segundo a PF, por meio de subterfúgios contábeis e comerciais, há indícios de que, mensalmente, as empresas envolvidas ajustavam fluxo de quantidade de produtos de interesse, notas fiscais, pagamentos e até simulação de transporte de mercadorias inexistentes,  objetivando confundir os órgãos de fiscalização, em especial quanto às operações fictícias de compra e venda de sucata de alumínio ou de alumínio bruto, descritas em notas fiscais.

Sonegações somam R$ 678 milhões

Até o momento, em decorrência das fraudes tributárias investigadas, foram identificadas sonegações fiscais que somam R$ 678 milhões.

A Polícia Federal informou que 280 policiais cumprem 55 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em Taubaté (SP). Os trabalhos estão sendo executados em endereços de São Paulo, Pindamonhangaba, cidades da região metropolitana de Sorocaba, Mogi Mirim e São José dos Campos, além do Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e o Distrito Federal.

As investigações continuam e os envolvidos poderão ser responsabilizados pelos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso, organização criminosa e fraude tributária.